quinta-feira, 31 de julho de 2008

Mulher Borboleta

Sabe a sensação de tentar dar a alguém o que você viveu, e não saber a quem?
O que sei é que não quero ficar com o que vivi engasgado, e trancafiado em minha alma...
me assusta essa desorganização sem rumo, enlouquecidamente, tento abrir uma passagem em uma rocha bruta,mesmo sabendo que vou penar,mas quem é que busca e em troca não recebe sua pena? ou será que não é em busca exatamente das "penas" que sigo, respondendo isso, eu teria que fazer minha sinopse,essa que nem eu mesma sei,o que sei é que eu sou uma pergunta! Há um silêncio dentro de mim, mas felizmente eu não choro,porque quando choro me sinto consolada,como se estivesse sendo abraçada.
Eu sou uma mulher de alma profunda,tão funda que nem sei onde é o fim,que não faz poesias, ou arte, escrevo simples não enfeito,mas se descrever o que sinto,e colocar isto em linhas,escarrando a verdade nas entre-linhas de forma bruta é bonito, obrigada, eu sou uma mulher borboleta, como todas.

com carinho,
Mirella Souza.

Especialmente para Vanessa e Marcela.

2 comentários:

marcela disse...

poxaaaaaaaaaa...
ela voltou com tudooo!

me fez pensar viu!
aplausos, pq eu só aplaudo o que faz pensar de verdade...

bjuuuu amor!

Odara disse...

muito bem, já tava com saudades desse seu lirismo suave...

E dedicado pra mim e pra sé, nossa, fico muito Lisonjeada!!!

amiga, adoro ver-te escrevendo... você sabe o porque...


minha luaaaaaaaaa!!!!!

bju das estrelinhas do céu!