quinta-feira, 28 de maio de 2009

Eu quero...

Eu quero um amor macio
Sem dor nem vazio
Claro como sol, leve como o vento
Sem rancor nem desalento
Aquecido pelo calor sereno da natureza
Degustar da sua imensa proeza

Eu quero da delicadeza das pétalas
A sua simplicidade
Alimentar aos corações
Com a essência mística da felicidade
Despetalar suas verdades a cada amanhecer
Eu quero nela nascer, morrer e viver

Eu quero o perdão descalço
Caminhando no concreto árido
Rindo a cada passo dado
Plantando no asfalto por onde passa
Um pouco da sua graça

Eu quero beber do azul da liberdade
Declinar na brisa suave dos mares
Possuir-me de toda essa acuidade
Voar ao infinito, respirar novos ares

Nenhum comentário: