segunda-feira, 25 de maio de 2009

Meramente prosaico.



Dos lábios carnudos pintados de vermelho
só restava à pequeneza da ilusão.
Algum estrangeiro deu-lhe apenas meros prazeres carnais,
esquecendo que ali existia algo denso,
sobrecarregado de sentimentalismo infantil
e fraqueza de mulher...

Aos poucos os grãos jogados foram possuindo
todo o corpo desprovido de afabilidade,
cegando-o, tornando-o dependente daquele simples caso banal.

O ruído do desejo fissurado já caminha involuntariamente
por entre os becos sem luz, rachando todo o asfalto,
uma única luz existente era a luz dos olhos do adventício,
um olhar ténue amadurecido que dava vida ao anseio insano.

A aventura doce carregada nos bolsos
dava ao simples caso um ar de ameaça.
[arriscavam-se euforicamente]
Talvez a efervescência fosse dada ao excêntrico,
não havendo ali sentimento algum,
apenas bel-prazer do sensualismo.

Não existe nome para esse turbilhão de emoções,
de vontades afobadas, de almejos...
é algo misterioso que constitui
todas as células do corpo rubro insaciado.

O gosto da memória
é raso, miúdo...

Nenhum comentário: